Arquivo da tag: reportagens sobre enchentes

Estragos causados pelas chuvas: a reportagem que precisa ler publicada em janeiro de 2012

Há duas semanas, a cidade de São Paulo novamente foi sitiada por alagamentos e deslizamentos. Dias depois, o foco da atenção mudou para municípios da região serrana do Estado do Rio de Janeiro, onde desmoronamentos de encostas e fortes enchentes causaram, até o momento, mais de 700 mortes.

A imprensa, nessas situações, é desafiada. A situação é de caos em muitas localidades, o acesso e a mobilidade são difíceis e o sofrimento  cresce exponencialmente. Nos primeiros dias da cobertura, é complicado – porém possível – manter a sobriedade, contextualizar números e opiniões e escolher histórias emocionantes que não enveredem pela pieguice.

Em meio ao transtorno e ao tiroteio, a imprensa escorregou nas frases de efeito de autoridades. O governador de São Paulo disse, ao anunciar um pacote de medidas, que elas só surtiriam efeito na próxima temporada de chuvas, já que obras não são feitas em 24 horas. O governador do Rio de Janeiro disse que o momento não é de criticar e caçar culpados, mas de atender as necessidades urgentes de curto prazo.

Ambos estão corretos – A opinião dada pelas duas autoridades não foram provocativas e nem eximiram ninguém de culpas. Foram bastante racionais, sem hipocrisias. Realmente, não se faz obra em 24 horas. Elas demoram mais tempo. Realmente, nos primeiros dias após a tragédia, colocar prefeitos e governadores omissos atrás das grades não ajuda a resgatar dezenas de pessoas soterradas. O socorro é urgente, a Justiça é mais lenta.

O embate da imprensa nesses momentos mostra que, mesmo quando faz as perguntas certas, agarra-se a qualquer resposta. Em algumas vezes, há uma busca frenética pela frase de efeito. No caso paulista, a mídia rebateu, perguntando se em 20 anos é possível fazer as obras, uma forma irritada de questionar um partido político que completará duas décadas na gerência do estado. Apesar do tom belicoso, a pergunta trilha a rota certa: o que era para ser feito, o que foi feito e o que deixou de ser feito. Pena que não trouxe a resposta.

Bons exemplos – Se a pergunta é correta, é preciso entregar as respostas correspondentes, principalmente agora que a situação começa a se desanuviar. É a informação e o conhecimento, e não as frases de efeito e os cinco minutos de fama, que ajudam a sociedade a cobrar e conseguir mudanças.

FSP EnchentesNa capital paulista, o jornal Folha de S.Paulo revelou que, em 2010, o prefeito, mesmo com arrecadação de tributos, maior, não cumpriu o plano de prevenção contra cheias .

O portal Contas Abertas, que fiscaliza a utilização de recursos públicos e está hospedada no UOL, mostrou algo no mesmo sentido. Descobriu que o governo federal deixou de investir quase R$ 1,8 bilhão em prevenção em todo o país. Entre 2004 e 2010, a dotação autorizada foi de R$ 2,3 bilhões, dos quais apenas 23% foram aplicados. De cada R$ 4 previstos em orçamento, menos de R$ 1 foi aplicado.

No entanto, para janeiro de 2012, quando as chuvas certamente voltarão a castigar diversas cidades, a imprensa pode planejar desde já um esforço de reportagem para oferecer matérias que fujam da cobertura das frases de efeito. O roteiro serve para qualquer cidade ou estado:

Roteiro para uma reportagem – Considerando que obra não se faz em 24 horas, devido ao trâmite burocrático inerente a licitações públicas, ao licenciamento ambiental, a desapropriações e a outras tarefas:

1) Nos últimos 15 ou 20 anos, qual foi o orçamento reservado para a prevenção de desastres e enchentes?

2) Quais as obras – e a dimensão ou a capacidade delas – que foram previstas no orçamento de cada ano ao longo deste período?

3) Do que foi previsto em cada ano ao longo dos últimos 15 ou 20 anos, o que foi feito de fato e o que está ainda em obras ou em fases preparatórias?

4) É possível analisar, com ajuda de especialistas, se a obra resolveu ou minimizou o problema ou o risco?

5) Em 20 anos, a cidade cresce e há mudanças no uso do solo. Quais os novos desafios que surgiram para a prevenção de desastres e enchentes? Algum novo morro ou área de risco foi ocupado, por exemplo?

Considerando que enchentes são fenômenos naturais e que cidades brasileiras cresceram e invadiram áreas como morros e leitos de rios e bacias hidrográficas:

1) Uma família que mora em área invadida pode resistir à remoção? Quais são os deveres do poder público? Construir outra moradia antes para essa família? Oferecer valor suficiente para ela comprar uma casa em local seguro? Quais são os direitos e deveres de uma família em área de risco? O que determina a lei?

2) Quanto tempo pode demorar para remover uma comunidade inteira para uma área segura? Quanto custa construir 1.000 casas, com esgotamento sanitário, água tratada, fornecimento de energia elétrica, transporte coletivo e outros instrumentos públicos, como escolas e postos de saúde?

3) Considerando a legislação, quantas pessoas moram em topo de morros ou em morros com inclinação maior que 45 graus? Quantas pessoas moram nas margens dos principais rios, propícios a alagamentos? É possível utilizar ferramentas como Google Maps e georreferenciamento para dimensionar áreas proibidas e a quantidade de pessoas instaladas nessas áreas?

Essas informações não estão prontas, organizadas no portal da prefeitura ou do governo do estado. Também não serão obtidas na primeira semana de trabalho. daqui alguns meses, quando acabar o período chuvoso, a imprensa talvez não tenha mais motivação para publicar reportagens sobre enchentes. Mas é possível se antecipar. Assim, quando a próxima estação de chuvas chegar, o questionamento ao poder público poderá ser mais frutífero.

Anúncios