Arquivo da tag: criatividade no jornalismo

Três exemplos de capas de jornal criativas e ousadas

A capa do jornal costuma ser um mosaico daquilo que aconteceu de mais importante no dia anterior. O editor precisa calibrar a quantidade de notícias buscando temas das mais variadas áreas de cobertura do diário. É difícil montar o quebra-cabeças, reunindo fotos, gráficos, títulos, palavras certas e precisas.

Alguns jornais – independentemente do perfil, do porte e da abrangência da circulação – buscam ousar na composição da primeira página. Alguns exemplos:

Diário do Comercio (SP) – O diário aproveitou a célebre imagem da campanha do presidente norte-americano Barack Obama com a frase dita por ele em um encontro com o ex-presidente brasileiro Luiz Inácio Lula da Silva para informar, na primeira página, o índice de popularidade recorde da presidente Dilma Rousseff. "Ela é o cara", estampa o jornal.

Correio Braziliense (DF) – A Comissão da Verdade, criada pelo governo federal para investigar o paradeiro de desaparecidos políticos durante o regime militar no Brasil, ainda causa constrangimentos e polêmica em ambos os lados – militares e defensores dos direitos civis. Um dos casos é emblemático: a morte, em cárcere, do jornalista Vladimir Herzog. O jornal, então, lembrou que os brasileiros não sabem, há 48 anos, o que, de fato, aconteceu. A imagem diz mais que tudo.

O Dia (RJ) – A recente morte do humorista Chico Anysio (1931 – 2012) deixou o mundo artístico – e os fãs dele – muito triste. O jornal fluminense encontrou um modo ímpar de informar os leitores, sugerindo que não somente o humorista faleceu, mas também os mais de 200 personagens criados por ele ao longo de uma carreira inteira.

Bom jornalismo, bons infográficos e boa iniciativa

Tim Devin considera-se um artista na cidade de Boston, no estado norte-americano de Massachusetts. Pode ser considerado, além disso, um bom jornalista. Ele criou uma forma inteligente de informar. Inovou, também, na plataforma. Nada de jornal impresso, internet ou qualquer outra mídia. Ele publica as notícias dele nos postes de rua.

Broadside crimeBasta ver o Broadsides (pequenos cartazes ou folhetos, neste caso, distribuídos nas ruas). Por ele, o autor divulga poemas e notícias e também realiza pesquisas de opinião.

Para divulgar notícias, ele cria infográficos com estatísticas de enorme interesse para a sociedade, edita-os de forma visualmente didática, e os cola em postes de energia. Essa vertente do projeto chama-se Mappy Facts.

Negócio? – O projeto Broadsides vale como experimento. Dificilmente oferecerá perspectiva de faturamento que o sustente financeiramente. É arte, provocação ou manifestação – ou todas as alternativas juntas.

Duas das notícias divulgadas por infográficos nos pequenos cartazes do Mappy Facts para a vizinhança abordaram a geografia do crime (quais localidades registram mais ocorrências) e a distância dos pontos de captação de água. São, sobetudo, poderosos instrumentos de conscientização. broadsides-survey-small-pho

Pesquisa de opinião – Agregado à “infografia para postes”, o autor projetou dez pequenos pedacinhos de papel, enfileirados lado a lado – metade escrito “sim”, metade escrito “não”.

São respostas possíveis para a pergunta: “Você sabia disso?” Quem quer participar da pesquisa, basta retirar um pedacinho conveniente. Ele ainda aproveita a idéia e o formato para espalhar perguntas diversas pela cidade, com ou sem gráficos agregados.

Iniciativas como essas poderiam ser divulgadas em escolas, públicas ou privadas, incentivando os alunos a fazerem o mesmo – ou projetos com o mesmo objetivo transformador.’

Os jornais brasileiros teriam coragem de fazer uma primeira página dessas?

The Huntsville TimesSeja lá qual for o assunto principal do dia, os jornais brasileiros teriam coragem de mudar o padrão de edição da primeira página para estourar uma bela foto, como fez o The Huntsville Times, no estado norte-americano do Alabama?

Esse não é o padrão do Huntsville. A primeira página é, usualmente, editado como todos os outros jornais: um título para a principal matéria, mais chamadas para diversas matérias, tudo ocupando equilibradamente a página inteira.

Editorialmente, tanto faz: ambos os modelos trazem diversas chamadas na capa. Mas essa parece muito mais atraente, não?

Recentemente, no dia 15 de maio, o jornal noticiou que uma temporada de tornados causou muitos estragos no estado  do Alabama. Em uma das edições do diário, a primeira página, novamente, decidiu Huntsville 15mai11chamar a atenção do leitor com uma foto impactante e uma arte incomum, com muita beleza.

Primeiro, a notícia, na primeira página, literalmente continua a imagem. O parágrafo foi editado de tal forma que a primeira linha segue a base do tornado.

Mas há um segundo fato, bastante interessante para os padrões brasileiros.

A escolha do superintendente de ensino na cidade de Huntsville ganhou o topo da primeira página daquela edição de domingo, indicando a importância da notícia para a comunidade local.

É possível imaginar, caro leitor, uma notícia similar, a respeito da escolha do secretário municipal de educação de qualquer cidade brasileira, na capa de algum jornal local?

Uol Esporte dá show de criatividade!

A equipe do Uol Esporte deu show de criatividade, persistência e eficácia ao transformar um assunto dos mais chatos no mundo do futebol – os treinos – em algo extremamente interessante e interativo. O resultado foi incrível.

UOLEsporte1 A partir de uma eficiente pauta, que identificou quais informações deveriam ser capturadas, 15 repórteres foram a campo. Montaram um banco de dados e tabularam números a respeito da quantidade de horas e do tipo de treinamento que cada clube priorizou. Parece chato? Então veja a manchete que resumiu o trabalho: “Por Centenário, Corinthians ‘força’ pré-temporada e supera rivais no treino”. Os torcedores dos outros times certamente se perguntaram: “caramba, e o meu time, como está se preparando para fazer frente a essa estratégia dos corinthianos?”

Ao acessar os dados, o internauta pode verificar os rankings que demonstram  quais times – entre quatro paulistas, quatro fluminenses, dois gaúchos e dois mineiros – UOLEsporte3treinaram por mais horas, quais adotaram maior quantidade de treinos táticos ou técnicos, quais forçaram mais no exercício físico. O trabalho resultou ainda em fichas que descrevem especificidades  dos treinamentos em cada time.

Essa informação é extremamente importante, tanto que os clubes, ao longo dos anos, ampliaram a quantidade de profissionais nas comissões técnicas para coletar e organizar informações que sejam úteis a fisioterapeutas e para o próprio técnico. O sucesso foi fazer dessas informações algo também interessante.

UOLEsporte4 Mas, o ‘pulo do gato’ da equipe do Uol Esporte foi usar ingredientes bastante conhecidos para atrair audiência: a tática de criar rankings em assuntos nos quais há muita disputa e concorrência. Para isso, foi fundamental o planejamento, a escolha de quais informações deveriam ser coletadas pelos repórteres espalhados por quatro estados, a padronização da coleta de dados, a tabulação e a criatividade na apresentação dos resultados.

O blog e este blogueiro vêm mostrando com rotina bons trabalhos que estão sendo feitos na cobertura jornalística, principalmente aqueles que privilegiam a excelência e o planejamento na pauta e a criatividade na apresentação da apuração. Uma sugestão ainda pode render um ótimo trabalho de apuração e reportagem, com potencial para interagir, positivamente, com a paixão do internauta pelo futebol.