Arquivo da tag: Cata-bagulho

O cidadão está satisfeito com serviços municipais criados para recolher materiais, trecos e bagulhos?

As prefeituras das grandes cidades, bem ou mal, tem algum serviço para recolher materiais que estão em um grupo intermediário. Não são nem resíduos sólidos urbanos – o lixo comum, que as pessoas colocam na porta de casa para o caminhão recolher – nem entulho e resto de construção. No entanto, poucas vezes ele funciona adequadamente, com foco na prestação eficiente de serviço ao cidadão.

Cata-bagulho 2 Na cidade de Campinas, um dos mais populosos municípios brasileiros, o serviço está presente, apelidado de “cata treco”. Na capital paulista, a mais populosa da América Latina, chama-se “cata bagulho”. Treco ou bagulho, alguém acredita que funciona adequadamente?

Primeiro, é necessário definir o que é treco é bagulho. São os chamados materiais inservíveis, como restos de móveis, latas de tinta, colchões velhos e todo tipo de item de porte médio ou grande que não sejam os resíduos sólidos comuns.

O que é serviço adequado? – Em segundo lugar, é necessário definir qual é o conceito de serviço adequado. Em qualquer cidade, boa parte das pessoas está envolvida com atividades como estudar, trabalhar ou cuidar de tarefas domésticas. O cotidiano, usualmente, é veloz, com muitas atividades, com necessidade de deslocamento entre os bairros, enfrentando o trânsito congestionado e outras intempéries.

Cata-bagulho 1 Um bom serviço é aquele cujas informações estão facilmente disponíveis, principalmente no portal da prefeitura na internet, mas também por telefone. É confiável, não deixa dúvidas. A maioria das cidades tem um número de três dígitos que centralizam todo o atendimento ao munícipe. Se o serviço existe, as pessoas querem saber quando os caminhões e os servidores passam perto das residências, em que horário, que tipo de itens podem ser descartados. Para comparação, imagine se o caminhão de lixo que passa frequentemente pelas ruas não seguisse uma programação?

Paulistanos sem informação – Na cidade de São Paulo, os munícipes não sabem quando os caminhões passam pelas ruas recolhendo trecos, bagulhos e entulhos. No portal da prefeitura da capital paulista, não há informação. Quando há, está desatualizada ou não é confiável. Se a pessoa tentar acessar a central de atendimento por telefone, ouvirá da servidora pública que é necessário ligar toda sexta-feira, quando a central geralmente recebe a programação atualizada para todos os bairros. Pergunte o motivo de ela ter usado a palavra “geralmente”. Não ria com a resposta. Quem não estiver disposto a descobrir a programação pode levar os tais dos “inservíveis” nos pontos de coleta. Tente telefonar apenas para confirmar se os horários indicados realmente são verdadeiros. Não se irrite com o resultado.

Em Campinas, surpreendentemente, há uma programação, mês a mês, região por região, informando quando os caminhões passam. Mas o calendário data de 2009.

Sugestão de pauta – Emissoras de rádio e televisão, que têm equipes em várias cidades brasileiras, principalmente nas capitais, poderia fazer uma rápida sondagem, investigar e, depois, apresentar os resultados no formato de “giro” pelos diversas localidades, chamando os repórteres, um após o outro, e solicitando para eles narrarem o resultado.

Uma das funções do jornalismo, além de investigar os malfeitos dos governantes, é verificar a eficiência das políticas públicas e serviços públicos, principalmente os de primeira necessidade, à disposição do cidadão. Os chefes de pauta das principais redações pelo país poderiam escolher um serviço público por dia para ser investigado pelos jornalistas. Os cidadãos poderiam ser ouvido, na porta de casa. Certamente vão se espantar com a audiência e com a resposta dos leitores, telespectadores, internautas e leitores.