Arquivo da tag: bons projetos

Uma forma interessante de rastrear e mostrar o que os políticos dizem sobre temas de interesse público

Muitos designers e jornalistas estão trabalhando para encontrar maneiras de tornar as notícias políticas mais palatáveis e digeríveis para a população, para o cidadão comum, principalmente para aqueles leitores que não se importam muito com as manobras e consequências das decisões dos parlamentares.

Essa motivação deriva do fato que muitas das transformações que a sociedade e as cidades demandam nascem exatamente das discussões e manobras políticas. Sem acompanhar tais debates nas câmaras e nos parlamentos, sem fiscalizar o comportamento dos representantes legislativos, qualquer esforço pode produzir pouco resultado.

O desafio é que ainda há poucas instituições ainda se dedicando ao árduo trabalho de transformar a atividade política em dados, organizá-los, analisá-los e dar a eles uma forma visual agradável e inteligível, que crie engajamento nos cidadãos e motive-os a alterar alguma realidade. Para ficar mais claro, tente imaginar que tipo de dados poderiam ser extraídos dos discursos que os nobres deputados fazem ao longo dos anos nas tribunas do Congresso nacional.

Words and votes

Projeto inovador – Um projeto interessante tenta fazer isso nos Estados Unidos. O Words & Votes busca rastrear as informações que estão contidas nos discursos – e outras formas de expressão, como mensagens no Twitter – dos deputados e senadores norte-americanos sobre o porte de armas. O trabalho foi produzido para a organização sem fins lucrativos Sandy Hook.

Em resumo, o Words & Votes permite que o cidadão conheça mais facilmente, em um único lugar, de forma organizada, as opiniões dos representantes no Congresso sobre temas relacionados à violência e ao uso de armas de fogo.

Cada deputado e senador é “monitorado” e as declarações deles sobre o assunto são categorizadas como neutra, favorável à segurança (e, logo, contra o porte de armas) ou favorável ao porte de armas.

Ao passar a seta do mouse sobre símbolos circulares, é possível verificar qual foi o voto do congressistas em leis que tratavam de temas que têm alguma relação ou influência sobre violência e armas.

Sistema de busca – Os dados estão organizados e disponíveis em uma visualização interativa para dois momentos: atual legislatura e para as legislaturas, reunidas, entre 1999 e 2002. Os congressistas ainda são separados entre aqueles que são mais influentes e mais discursivos – e há sistema de busca para o leitor buscar o nome do próprio representante.

Um projeto interessante, sem dúvida, inclusive par ao trabalho de investigação jornalística. Por mais que interagir e entender não seja tão automático como muitos gostariam. De qualquer forma, o projeto deixa claro que o método pode ser replicado para qualquer assunto – direito dos homossexuais, direitos humanos e política fiscal, entre outros – e a forma visual pode ser melhorada, tornando mais simples e fácil para todos.

Projetos brasileiros – No Brasil, o projeto Excelências é um dos pioneiros na coleta, organização e análise de informação política. Ele captura dados de todos os parlamentares. As fontes são a Câmara dos Deputados, o Senado Federal, os Tribunais de Justiça, dos Tribunais de Contas e outras fontes públicas. Mostra quem falta ou produz mais, quais são as áreas de interesse dos legisladores, as emendas que apresenta, como votam e os gastos dos gabinetes. Recentemente, a revista Veja firmou parceria com a organização para analisar, produzir reportagens e dar visibilidade nacional às informações coletadas e organizadas. enfim, dar sentido prático aos dados e mostrar como eles têm impacto na vida das pessoas.

O jornal Valor Econômico acertou uma parceria semelhante, mas com o Centro Brasileiro de Análise e Planejamento (Cebrap), que visa acompanhar projetos de lei e outras matérias que tramitam no Legislativo e que têm impacto na economia brasileira. Assim, a cobertura sobre o Congresso Nacional poderá ser menos nas declarações dos políticos e mais no impacto da ação política no cotidiano das empresas e das pessoas.

Anúncios

Paulistanos terão em breve aplicativos para saber localidade dos ônibus. No mundo, isso é comum

Painel

A notícia foi publicada no jornal Folha de S. Paulo dia 26 de agosto. A Prefeitura de São Paulo deve lançar uma iniciativa que deve transformar bastante – para melhor – a convivência entre o passageiro e o sistema de ônibus na capital paulista.

Hoje, apesar de os ônibus serem novos e confortáveis, o tempo de espera nos pontos de parada é grande e o cumprimento dos horários é imprevisível. O passageiro, ao chegar no ponto, pode esperar cinco ou cinquenta minutos, no trajeto de ida ou de volta – ou nos dois.

Movimento mundial – A iniciativa da prefeitura paulistana segue movimento adotado em várias cidades e estados no mundo todo: abrir os dados e as estatísticas coletados e gerenciados pelo poder público para que os especialistas – desenvolvedores de internet e cientistas da computação – possam criar aplicativos para fornecer serviços aos cidadãos.

Vale lembrar, sempre: se as informações são coletadas pelo poder público, elas são de poder da sociedade, que é responsável pelo pagamento, via tributos, do funcionamento da máquina pública.

Ao abrir os dados públicos, a prefeitura permite criar um mercado privado de desenvolvimento destes aplicativos, gerar novos postos de trabalho e melhorar a prestação de serviços aos cidadãos.

London tube

Exemplos de fora – Dois exemplos são muitos interessantes, do mesmo desenvolvedor, utilizando dados em tempo “quase real”. O pecado, em ambos, é o alerta que o desenvolvedor faz: os dados são “aproximadamente” em tempo real, o que impede o usuário de se programar com base nos dois serviços, sob risco de perder o trem.

Em um projeto, o especialista criou um serviço que mostra estações, itinerários, localidade dos trens na rede de toda a Grã-Bretanha (Inglaterra, País de Gales e Escócia). O cidadão pode escolher a estação e obter as informações. Em outro projeto, as pessoas conseguem as mesmas informações – quantidade, localidade e itinerário dos trens – do sistema metroviário de Londres, capital da Inglaterra.

Vale lembrar que Londres, como muitas cidades europeias, informa ao usuário, nos pontos de ônibus, em quantos minutos o próximo ônibus vai chegar. E o horário é realmente cumprido, tudo graças aos dispositivos GPS em cada ônibus – os mesmos dados públicos que a Prefeitura de São Paulo vai disponibilizar aos desenvolvedores de internet.

Em vez de ficar olhando fixamente para a rua sem saber quando o ônibus desejado via passar, o usuário poderá ir até o comércio mais próximo ou cumprir pequenas tarefas.

Exemplos – Muitas cidades têm os chamados “bus services trackers”, que são aplicativos que indicam ao usuário as rotas, os pontos de paradas, os horários e o local onde o ônibus está em tempo real.

O serviço da cidade de Chicago, nos Estados Unidos, é bem interessante e funcional. Cumpre todas as funções com facilidade e indica em quanto tempo o próximo ônibus chegará ao ponto de parada onde o passageiro se encontra.

Chicago bus tracker

Serviço da cidade de Chicago com informações sobre sistema de ônibus

Edimburgo, na Escócia, com cerca de 500 mil habitantes, e Londres, na Inglaterra, com cerca de 8,2 milhões de cidadãos, têm serviços similares, bastante eficientes e com informações completas.

Observação – Os ônibus na cidade de São Paulo foram caracterizados como confortáveis porque são novos e, na imensa maioria dos casos, limpos. Há problemas notórios no sistema de ônibus. Os principais são a falta de pontualidade (ninguém sabe quando o ônibus vai passar no ponto de espera), a demora para percorrer a rota (por causa do trânsito e das interferências nas vias) e a lotação nos horários de pico (como há nos melhores sistemas do mundo).

Todos querem um sistema de ônibus sem esses defeitos, mas vale recordar que, faz quase duas décadas, a renovação anual escalonada da frota é regra na capital paulistana. Os defeitos do sistema, mencionados antes, só serão resolvidos com mais linhas de trens e metrôs, e tecnologia, como informar o horário dos próximos ônibus nos pontos das principais rotas (assim acontece em várias capitais mundiais) e os aplicativos que usam os dados públicos do controle do sistema de ônibus para que o cidadão tenha uma ferramenta a mais para organizar a própria vida.