Arquivo da categoria: Mídia em análise

Mapas podem frustrar caso não tragam marcos descritos nos textos

Recente reportagem do jornal Folha de S. Paulo mostra os desafios do novo time à frente do governo federal para concluir uma obra emblemática para a segurança hídrica e para o desenvolvimento da Região Nordeste: a transposição do rio São Francisco. Os repórteres visitaram cidades no entorno da obra para avaliar a evolução do projeto, capturar as expectativas das pessoas que moram nas localidades e analisar a perspectiva de conclusão da obra, superlativa em muitos aspectos.

Um mapa enriquece a reportagem. Mas, infelizmente, indica apenas parte das localidades e instalações de infraestrutura descritas no texto e nas legendas das fotografias. É presumível: o mapa é pequeno e falta espaço para listar todas as cidades e informações de caráter geográfico, há pressa no fechamento do jornal, pode haver poucos profissionais disponíveis com a habilidade de produzir mapas – ou tudo ao mesmo tempo. Mas a falta de precisão pode gerar frustração.

O mapa cita:

  • Cidades: Natal (RN), João Pessoa (PB), Recife (PE), Cabrobó (PE), Penaforte (CE), Juazeiro do Norte (CE), São José de Piranhas (PB) e Cajazeiras (PB).
  • Marcos geográficos: rio São Francisco
  • Instalações de infraestrutura: Barragem de Sobradinho, Eixo Norte e Eixo Leste (da transposição do rio São Francisco).

Mas o mapa não cita outros municípios, marcos geográficos e instalações de infraestrutura que estão no texto:

  • Cidades: Floresta (PE) e Campina Grande (PB).
  • Marcos geográficos: Região do Cariri (CE) e Chapada do Araripe (na divisa dos estados do Ceará, Piauí e Pernambuco).
  • Instalações de infraestrutura: Açude Poções (PB), represas na Paraíba e reservatório de Fortaleza (CE).

O mapa serve certamente para orientar o leitor durante a descrição existente no texto da reportagem, pois mesmo as pessoas familiarizadas com os detalhes geográficos da região podem ter dificuldades que visualizar mentalmente o percurso das obras.

A reportagem é faz parte de uma cobertura especial de duas páginas publicada em um domingo, o que permite especular que houve tempo para planejar um mapa completo – e até maior.

O que define um personagem interessante para o jornalismo?

FSP - Clube Mato GrossoNa prática do jornalismo, é rotina se deparar com personagens que podem ser considerados ótimos para um perfil ou para serem protagonistas de matérias inusitadas. Mas é um desafio também, pois não há uma cartilha que dê certeza ao repórter se o entrevistado é ou não, realmente, detentor de atributos que vão arrebatar inquestionavelmente a atenção do leitor.

Um personagem ímpar não é necessariamente uma pessoa que venceu após superar obstáculos enormes em um ambiente de condições desfavoráveis. Pode ajudar, mas não necessariamente conduz a uma grande matéria. Há sempre um risco de a reportagem dar contornos de heroísmo a uma história de vida igual à de outros milhões de pessoas.

FSP- Rei dos acessosPerseverança, foco, obstinação, sucesso e outras muitas características heroicas – o que nos romances costuma funcionar – não necessariamente serão ingredientes de sucesso para um perfil no jornalismo. Boas seções de obituários sempre trazem tais histórias.

O inusitado pode ser um atributo essencial. Outro é conseguir carimbar no personagem entrevistado um apelido que apele para a memória do leitor. O “Neymar do Nordeste” ou o “Lampião do século XIX” também ajudam a engrandecer a um personagem.

Política e esporte são áreas férteis para o surgimento de personagens inusitados, que atingiram marcas ou metas audaciosas e podem ser protagonistas de matérias interessantes a partir de apelidos que facilitam alçá-los ao topo em meio aos iguais ou competidores.

O jornal Folha de S. Paulo conseguiu localizar dois personagens interessantes em pouco tempo para reportagens sobre futebol. Uma relatou as características e opiniões do “rei do acesso“, um treinador de futebol de times pequenos e fora dos eixos de maior audiência que é o campeão de desempenho no desafio de fazer times subirem de divisões.

Outra matéria narrou a trajetória até agora bem-sucedida de uma equipe de futebol – o Cuiabá – em uma região sem tradição nem grandes feitos na modalidade. Vale a leitura.

 

Veja mais:

As ciladas diante de quem quer contar boas histórias – e algumas dicas para não cair nelas.

 

Exemplo nota dez de reportagem para público jovem

Reportagem feita pelo jornal O Estado de S. Paulo em junho de 2013 é um exemplo excelente sobre o exercício, que deveria ser cotidiano, de escolher temas que interessem para o público jovem. Os principais jornais do país praticamente perderam audiência deste segmento de leitores para a internet, que tem canais com pauta e linguagem mais personalizadas e adaptadas.

oesp-moocs

Para saber mais:

Os projetos educacionais selecionados pelo Estadão são apenas uma pequena fração do que existe para aqueles interessados em aprender temas específicos de diversas áreas do conhecimento. Aqui, é possível compreender como as opões são muitas – em língua inglesa.

Exemplo de jornalismo na fiscalização das ações do poder público

promessas-dos-politicos

O portal G1 tem feito um ótimo trabalho ao acompanhar, periodicamente, o cumprimento das promessas de campanha do presidente da República, dos governadores e de alguns prefeitos.

É possível acompanhar o cumprimento de promessas nas diversas áreas da administração pública.

Esse tipo de prática jornalística ao longo do tempo, companhando diligentemente a evolução de algum tipo de assunto, não costuma ser tão comum nas redações.

Essa reportagem “de longo prazo” do G1 ainda tem o mérito de preservar o histórico da apuração, oferecendo ao leitor as informações das parciais apuradas em momentos no passado.

promessas-dos-politicos-2

Algumas vezes, jornalistas acompanham a evolução do bem-estar de famílias ao longo de um prazo mais longo, de forma que o leitor possa identificar, sob o prisma do personagem e do jornalista, os principais indutores da mudança de bem-estar da família acompanhada. O resultado costuma ser muito bom para o leitor.

Veja mais:

Reportagem da Folha de S. Paulo acompanha famílias desde 2005, início de programa social do governo federal, e mostra que beneficiários do Bolsa Família trilham caminhos opostos ao longo de dez anos.

Lei das Estatais: Vale uma pesquisa nos estados e municípios?

A Folha de S. Paulo publicou reportagem mostrando que, no Estado de São Paulo, um decreto que regulamenta a Lei das Estatais – que estabelece, entre outras normas, novas regras para nomeação de diretores e conselheiros de estatais – havia sido flexibilizado. O governo paulista desistiu da flexibilização dias depois.

A chamada Lei das Estatais, quando aprovada, foi considerada uma importante evolução na governança das empresas estatais brasileiras. O governo federal publicou decreto regulamentando aspectos da lei dia 27 de dezembro. Os estados devem fazer o mesmo.

Diz o primeiro artigo da Lei 13.303/2016:

Art. 1o  Esta Lei dispõe sobre o estatuto jurídico da empresa pública, da sociedade de economia mista e de suas subsidiárias, abrangendo toda e qualquer empresa pública e sociedade de economia mista da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios que explore atividade econômica de produção ou comercialização de bens ou de prestação de serviços, ainda que a atividade econômica esteja sujeita ao regime de monopólio da União ou seja de prestação de serviços públicos.

Vale uma pesquisa em todos os estados brasileiros – e até nas capitais – para identificar como os gestores públicos do Poder Executivo estão regulamentando, via decreto, os dispositivos da lei, sobretudo nas empresas estatais consideradas de pequeno porte (receita operacional bruta inferior a R$ 90 milhões).

lei-das-estatais-estados

Riscos e cuidados no uso de estatísticas. Mesmo as oficiais

Reportagem publicada pela Folha de S. Paulo no dia 4 de março de 2016 evidencia o risco – e consequentemente os cuidados -que devem ser levados em consideração no trato com estatísticas, mesmo aquelas que são oferecidas oficialmente por órgãos públicos.

Em resumo, o número de homicídios divulgados pelo poder público está subdimensionado, pois há muitos casos listados em outra categoria de informação que não aparece nos balanços divulgados pela Secretaria de Segurança Pública.

O debate em torno da reportagem e da análise dos dados exigiu explicações do governo paulista e novas regras para a divulgação de estatísticas, como a divulgação das correções feitas periodicamente e de dados dos boletins de ocorrências.

estatisticas-de-seguranca

Veja mais:

O problema atinge outros estados brasileiros, como mostra a tese do pesquisador Daniel Cerqueira, que avaliou dados sobre mortes violentas não esclarecidas no estado do Rio de Janeiro.

A análise sobre estatísticas de crimes que ainda falta ser feita

A imprensa reportou a quantidade de homicídios dolosos em 2015 no Estado de São Paulo. Foi a menor taxa desde 1996. Algumas indagações:

  • A metodologia é realmente estranha. O poder público contabiliza a quantidade de casos, e não a quantidade de mortos. Como explica o texto, um caso pode conter várias mortes (uma chacina, por exemplo). Isso pode ampliar significativamente o número de pessoas assassinadas intencionalmente.
  • É sempre complicado analisar segurança pública por meio de um único indicador. Um dia ainda espero ler uma reportagem que traga, em bom espaço, todos os indicadores de mortes e de crimes.
  • Isso significa mostrar estatísticas históricas de mortes com ou sem intenção, por qualquer tipo de arma, no trânsito ou em casa, enfim, qualquer causa de morte, exceto doença.
  • Vale o mesmo para os tipos de crime: com ameaça ou não, em casa ou na rua, roubo ou furto, patrimônio – qualquer ocorrência.
  • Essa análise é muitas vezes difícil ou impossível por causa de imperfeiçoes na coleta, organização e divulgação de estatísticas públicas.
  • Isso é importante para evitar manipulações. Por exemplo: um assassinato passa a constar na lista de homicídios dolosos de acordo com a metodologia adotada na contabilidade e na investigação das autoridades públicas. Pode haver uma redução histórica dos casos de mortes intencionais, mas uma explosão nos de mortes cujas causas não foram identificadas.
  • Geralmente, os jornais mostram localidades com maior ou menor ocorrências de algum tipo de crime por meio de um mapa coroplético indicando cores mais escuras ou claras em cada distrito. Essa visualização é a única possível, já que o poder público não divulga o endereço exato da ocorrência, mas somente por bairros.
  • No entanto, isso pode causar distorções. Um exemplo: uma enorme quantidade de crimes praticados na fronteira entre um bairro tranquilo e outro mais problemático pode passar a impressão que um bairro inteiro é problemático. Essa distorção aumenta se o bairro for espacialmente bastante extenso.

    FSP crimes 2015