Arquivo da categoria: Cursos

Dica para tratar com dados e elaborar infografias

O infográfico abaixo é um dos primeiros que estou fazendo para o curso ministrado pelo Alberto CairoAlberto Cairo, na modalidade Massive Open Online Course (MOOC) pela Knight Center for Journalism in the Americas.

Em uma das tarefas, o objetivo é desenhar novamente um infográfico original considerado ruim pelo professor (um mapa mostrando o perfil de consumo em alguns países).

Alberto Cairo w3 2

O infográfico original (acima), considerado pouco eficiente pelo professor, traz um mapa com diversas etiquetas de compras trazendo informações específicas de cada país. Apesar de bonito e agradável, dificulta a tarefa do leitor, pois requer dele muito esforço para memorizar e, então, consequentemente, comparar os números apresentados.

A minha sugestão (abaixo) foi mostra três gráficos em barras empilhadas – e algumas observações complementares. As barras ou as colunas tornam mais fácil a vida do leitor para comparar os dados, eliminando a necessidade de memorizá-los antes.

A ideia foi contextualizar as estatísticas presentes do infográfico original. As cores mais escuras nas barras levam o leitor para ler os pequenos quadros abaixo, com uma foto e uma informação referente ao país destacado.

Alberto Cairo w3

Listo ainda três outros exemplos (abaixo), de dois outros alunos, que buscaram facilitar a vida do leitor no momento de comparar. Outra dica do professor, que foi utilizada em todos os infográficos, aborda a utilização de cores.

A melhor opção é utilizar cores em tons mais claros e que não agridam muito a imagem apresentada. Esse princípio ajuda, inclusive, nos casos em que o infográfico precisa ressaltar alguma estatística. Com cores mais neutras e claras, basta realçar o dado desejado com uma tonalidade mais escura da cor.

Anúncios

Três cursos para aprender algumas competências associadas ao jornalismo de dados e à infografia

No Brasil, muitas pessoas, principalmente estudantes, que querem começar a trabalhar melhor dentro do universo que se convencionou a chamar de ‘jornalismo de dados’ encontra dificuldade para aprender, treinar e desenvolver as principais competências desta área: onde buscar as informações, como organizar e analisar dados e estatísticas, como dar uma forma bonita e inteligível a elas.

Algumas iniciativas interessantes surgiram, com aulas presenciais ou online, voltadas para iniciantes ou aqueles com comportamento autodidata. Todas as disciplinas são interessantes, tanto para jornalistas ou para profissionais que lidem com estatísticas e bancos de dados e precisem melhorar a eficiência na organização, análise ou apresentação das informações.

1) Escola de Dados. Há aulas básicas, ensinamentos e instruções sobre conceitos e procedimentos para praticar o jornalismo de dados. Ensinam como procurar e coletar estatísticas, utilizar os principais recursos disponíveis em uma planilha de dados (como organizar e filtrar informações) e os primeiros passos para analisar dados. Oferecem ferramentas online para diversas atividades – extrair, limpar, analisar, apresentar e compartilhar dados – e oportunidades para aprender mais por meio de ‘expedições de dados’. Online, para autodidatas.

2) Infografia e visualização de dados. É um curso introdutório, oferecido pelo Knight Center for Journalism in the Americas e ministrado por Alberto Cairo. É gratuito, em inglês, totalmente feito pela internet, para quantas pessoas se inscreverem (a primeira edição teve mais de 2.000 estudantes de 109 países e a segunda edição contou com 5.200 participantes de 138 países). Ensina por meio de capítulos de livros, vídeos, discussões em fórum. O curso já começou no dia 6 de outubro e dura cinco semanas. É possível se inscrever ainda e acelerar no cumprimento das tarefas para ficar no mesmo nível dos outros.

3) Programa de Jornalismo de Dados e Visualização. Organizado pelo Instituto Internacional de Ciências Sociais (IICS), organização que surgiu com a função de oferecer cursos de pós-graduação para editores em jornalismo, tem preço acessível, grade curricular abrangente e professores que colocam a ‘mão na massa’ todos os dias. Dura quatro dias inteiros, dois deles sábados, com aulas presenciais. Passa por áreas como infografia e visualização, coleta e organização de dados, mapas e utilização da Lei de Acesso à Informação Pública.