Arquivo do mês: setembro 2013

Reportagens interativas não precisam de pirotecnia

Uma reportagem interativa bem-feita não precisa trazer infografias ousadas, vídeos editados com qualidade de cinema e outras pirotecnias que a tecnologia e as ferramentas online permitem. O essencial – como sempre, no jornalismo – é a qualidade da informação.

Um exemplo é a reportagem produzida pelo Pew Research Center, uma instituição norte-americana que tem a missão de informar o público sobre diversos fatos dos Estados Unidos e do mundo todo. Eles fazem pesquisas de opinião, estudos demográficos, análises sobre o funcionamento da imprensa e diversas outros trabalhos sociais empíricos. Dessa forma, costumam ter matéria-prima exclusiva, de alta qualidade e interesse.

Recentemente, por causa do aniversário de 50 anos da ‘Marcha sobre Washington’, dia 28 de agosto , que se transformou em um marco na luta pelos direitos das pessoa negras nos Estados Unidos e consequentemente em todo o mundo, o Pew Research produziu uma análise baseada tanto em pesquisas de opinião quanto em dados governamentais do Censo norte-americano para perceber as mudanças demográficas entre brancos e negros – e também hispânicos e asiáticos – nas últimas cinco décadas.

O resultado é um relatório com texto didático, mesmo que longo, gráficos estáticos simples e um amplo conjunto de estatísticas organizadas novamente em gráficos sem pirotecnia, mas com interatividade, dando ao público a possibilidade de selecionar informações do ponto de vista que lhe interessar.

Pew Research Center - Race in America

Bom exemplo: poder público colherá bons frutos após publicar lista de obras embargadas

Após grave acidente ocorrido na capital paulista, com o desabamento de uma obra irregular que já havia sido embargada por fiscais do poder público, a Prefeitura de São Paulo decidiu publicar na internet a lista com todas as obras embargadas na cidade.

A decisão é importante porque São Paulo dá um importante passo para dar publicidade, a quaisquer interessados, sejam cidadãos comuns, jornalistas ou estudiosos, dados públicos relevantes e de interesses para a sociedade.

O prefeito de São Paulo reconheceu que a lista pode estar desatualizada, como os próprios jornalistas confirmaram enquanto visitavam os locais listados à procura de imóveis já embargados mas ainda em obras.

obras embargadas

Repórteres nas ruas – Imediatamente, o jornal O estado de S. Paulo publicou enviou repórteres e fotógrafos para as ruas para visitar os locais embargados listados. Encontrou obras irregulares em execução, empreendimentos já concluídos e regularizados, erros em geral.

A medida é exemplar, mesmo que seja mais uma ação conveniente, fruto da comoção que se instaura após uma tragédia, do que parte de um plano orquestrado com o fim de dar mais informação útil à sociedade. Mas é bem-vinda.

Cidadãos engajados – Com a publicação da lista, a prefeitura paulistana consegue dois feitos bastante positivos. Além de dar um passo firme no caminho da transparência pública, cria condições para conseguir o engajamento da sociedade afim de atualizar a lista de obras embargadas e faz de cada cidadão um fiscal público.

Ao dar visibilidade a dados públicos, permite-se transferir mais poder à sociedade por meio da informação, trazer os cidadãos para aturarem ao lado do poder público e permitir que todos – agentes públicos e privados – aperfeiçoem a informação pública.

Um passeio pelo Google Earth: Pulkovo, aeroporto na Rússia, palco da reunião do G-20 em 2013

A presidente da República, Dilma Rousseff, compareceu à reunião do G-20, grupo das principais 20 economias do planeta, que foi realizada na cidade de São Petersburgo, na Rússia. O embarque, na Base Aérea de Brasília, ocorreu às 22 horas de segunda-feira, dia 2 de setembro. O retorno, no aeroporto local de Pulkovo, ocorreu às 14h45 no horário local (ou 21h45 horário de Brasília).

São Petersburgo já foi chamada de Petrogrado entre 1924 e 1924 e de Leningrado entre 1924 e 1991.

Um passeio pelo Google Earth mostra bonitas imagens do aeroporto de Pulkovo, onde a presidente da República embarcou de volta para o Brasil. Trata-se de um aeroporto antigo, da década de 30, que mantém ainda mostras da arquitetura daquela época, mas que não deixou de ser reformado ou até reconstruído parcialmente. É o terceiro aeroporto mais movimentado da Rússia, com mais de 11 milhões de passageiros ao ano.

Em um momento em que o Brasil começou a transferir a operação e os investimentos para expansão e modernização de aeroportos nacionais para o setor privado, e quem trazer para o brasil operadores que operam os maiores do mundo, as autoridades brasileiras puderam perceber se a qualidade dos serviços no aeroporto de Pulkovo é satisfatória.

Desde 2008, ele é operado pela Fraport, concessionária que administra o Frankfurt, maior aeroporto da Alemanha, maior cuja movimentação superou 57 milhões de passageiros em 2012.