Desafios diante da imprensa em 2013 – e nos anos seguintes


Alguns desafios diante da imprensa em 2013 – e nos anos seguintes – para os quais é difícil encontrar solução, mesmo diante do esforço e dos debates dentro das redações e nas salas de aulas. Claro, a lista é maior. Aqui, listo somente alguns:

1) Governos cada vez maiores, redações cada vez menores. A administração pública parece ocupar cada vez mais espaço, utilizar instrumentos financeiros e legislativos mais complexos, adotar mais artimanhas de contabilidade. Do outro lado, a imprensa sofre de um mal antigo: equipes cada vez menores, mais jovens e muitas vezes desmotivadas, que precisam entender de tudo. Sofre o cidadão, que depende da imprensa como fiscalizador independente de última instância. Atos oficiais e políticas públicas acabam sendo analisados superficial e esporadicamente. Em muitas empresas jornalísticas, há repórteres que ainda têm a possibilidade de se especializar em uma única área – somente execução orçamentária, por exemplo, em vez de toda a área econômica do governo – e isso traz credibilidade para o jornal na medida em que notícias exclusivas, relevantes, bem explicadas e abrangentes são divulgadas.

2) Fontes ocultas, interesses explícitos. Na política, na economia e nos esportes, há um uso exagerado das “fontes próximas ao presidente”, dos “interlocutores que preferem o anonimato” e de “auxiliares que participaram” das decisões. O repórter precisa, em muitas vezes, oferecer a possibilidade de manter o entrevistado escondido para obter informações relevantes. Mas muitas matérias são baseadas em uma única fonte oculta, sem que a apuração busque cruzar a informação recém-recebida com outras fontes, ocultas ou não. Isso gera descrença, já que a imprensa corre o risco de se prestar aos interesses particulares de quem lhe entrega a suposta notícia. A mídia precisa questionar com mais seriedade os interesses do personagem oculto, da mesma forma que os editores precisam avaliar a quantidade de vezes que o recurso foi utilizado, quantas vezes o jornal acertou e errou ao acreditar em tais fontes e a relevância da informação.

3) Muitas notícias, pouca informação. A imprensa, principalmente os jornais impressos, tem, além de informar, a função de registro histórico. Por isso, atos oficiais, que costumam ser divulgados dezenas de vezes diariamente, precisam receber automaticamente a atenção das redações. Imagine a quantidade de potenciais anúncios ou divulgações de todas as instâncias do poder público(Executivo, Legislativo e Judiciário) nos três níveis federativos (governo federal, estados e municípios). Impossível dar atenção qualificada a tudo isso. Assim, a mídia divulga inúmeras notícias sobre índices e relatórios mensais sobre a evolução da economia, por exemplo, e o leitor ou ouvinte parece cada vez mais  desinteressado. Continua a ser um desafio para a mídia capturar a atenção da audiência e, ao mesmo tempo, cumprir as funções institucionais que se espera dela – informar e servir como registro histórico.

4) Informação valiosa tem custo – e tem de ter preço. Há muita discussão e poucas soluções ainda sobre o financiamento da produção jornalística de qualidade. A internet, superficial na maior parte das vezes, atraiu enorme fatia dos anunciantes na medida em que conseguiu capturar a atenção das pessoas. A propaganda vai atrás da vitrine que o público está olhando, claro. A indústria do entretenimento também está mais sofisticada, criando alternativas bastante competitivas para os anunciantes. A imprensa, então, passou a enfrentar enorme concorrência pelas verbas publicitárias. Alguns órgãos de mídia tentaram diversificar fontes de negócios. Tentativas fracassaram, outras trouxeram dinheiro, mas nada substantivo. Recentemente, as grandes empresas decidiram cobrar pela leitura de notícias nos portais na internet a partir de determinada quantidade de textos lidos – o chamado “paywall”. Quem quer ler mais do que o mínimo oferecido gratuitamente precisa pagar. Diversos casos têm sido bem-sucedidos, mas ainda é cedo para dizer se os recursos das assinaturas digitais conseguiram reverter o enxugamento das redações. No geral, as pessoas estão acostumadas e esperam ler de graça na internet.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s