Pouco texto, muita infografia. Um novo estilo de reportagens, feitas também por jornalistas


Nos últimos dois ou três anos, uma gama interessante de ferramentas surgiram, em ambiente internet, para facilitar a produção de infografias baseadas em dados. Elas têm permitido que jornalistas e interessados no assunto, mesmo que ignorantes em programação e diagramação, possam substituir modorrentas tabelas e cansativos parágrafos por infografias inovadoras.

Entre as diversas ferramentas, considero algumas muito boas, com diferentes graus de dificuldade para usuários comuns. Uma delas é o Many Eyes. Outra é o Tableau Public. Gratuitas, ambas permitem transformar bases de dados e tabelas em formatos diferenciados de gráficos. Matérias interessantes estão sendo construídas, associando pouco texto, gráficos inteligentes e interatividade – o leitor pode passear pelos dados. Veja alguns exemplos:

Mobile network 1) Desempenho de operadores de banda larga sem fio. A publicação PC Megazine comparou, em 18 cidades norte-americanas, a velocidade para baixar arquivos e tempo de resposta para receber o primeiro bite. A qualidade do serviço oscila bastante entre cidades e entre operadoras, mostrando negligência no atendimento ou saturação na infraestrutura.

2) Energia renovável pelo mundo. A matéria mostra o ímpeto de alguns países – emergentes e desenvolvidos – na produção e no investimento em energia renovável em 2009. A China, pelo gigantismo da economia local, é disparada a nação que mais investe, mas praticamente empata com espanhóis quando os investimentos são comparados ao PIB de cada país e com os norte-americanos quando se mede a capacidade de geração acrescentada à rede.

3) Sucesso de companhias de tecnologia. O jornal norte-americano The Wall Street Journal preparou um gráfico que compara o desempenho de cem das maiores empresas de software ao longo de mais de três décadas. Os dados foram organizados de forma que pode-se perceber a performance delas a partir de 15 diferentes segmentos da indústria de tecnologia de informação, a quantidade de anos anos que cada uma levou para atingir US$ 50 milhões de faturamento anual e o valor agregado de vendas em 2008. Com todos esses números, a publicação criou três categorias para classificar as empresas de acordo com a curva de crescimento de cada uma: foguete, quente ou lento. Só vendo para crer. Sensacional.Empresas TI4) Mudanças da fome mundial. A partir de estatísticas de um índice que mensura a fome do mundo, produzido a partir da mescla de dados como proporção de pessoas que vivem com menos do que o adequado, de crianças menores de cinco anos abaixo do peso e de mortalidade infantil. A imprensa já havia preparado gráficos sobre o resultado em 2010, quando divulgados. A novidade, agora, nessa nova infografia, é mostrar a intensidade  da mudança no mapa mundial da fome, comparando o índice de 1990 e 2010. Permite perceber quais países estacionaram, melhoraram e pioraram – e quanto. Nos últimos anos, houve melhoria no combate à fome, que ainda desafia o mundo, principalmente na África.Global hunger index

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s