Quer participar de um projeto de jornalismo colaborativo sobre estádio de futebol?


Os estádios de futebol no Brasil tem qualidade ruim, no geral. Há falta de conforto e de proteção contra chuva ou sol, banheiros de terceiro mundo, falta opções de alimentação a preços acessíveis. O entrono dos estádios é uma “terra de ninguém”. Cambistas, com ou sem lei que criminaliza a atividade, atuam livremente, talvez, agora, com um pouco mais de discrição. Guardadores de carros – os “flanelinhas” – cobram caro para que os motoristas possam estacionar o automóvel em locais públicos. Os preços das entradas, em geral, não são caras, mas aumentam assustadoramente em jogos mais importantes. Os torcedores não recebem serviços à altura como contrapartida.

Enfim, problemas não faltam. O Café Expresso gostaria de iniciar um projeto de jornalismo colaborativo e contar com a ajuda dos torcedores de todo o País para entender como funciona o dia a dia no entorno e dentro dos estádios durante os dias de futebol. A proposta é que cada um que frequente estádios ou tenha conhecimento sobre o assunto envie para cá informações atualizadas, no espaço para comentários. Depois, os dados serão consolidados e publicados numa matéria aqui mesmo – e também distribuídas para os principais jornalistas esportivos do País via redes sociais. Seria interessante ter informações sobre alguns assuntos:

– Qual estádio foi frequentado, em qual jogo, em qual data?

– Você se importa de deixar o seu nome e a sua idade?

– Há quanto tempo você frequenta estádios de futebol?

– Há estação de trem urbano ou metrô por perto, para facilitar o acesso dos torcedores?

– Os cambistas atuam livremente ou disfarçadamente?

– Quanto custou o ingresso que você comprou? Em qual setor do campo?

– Você sabe quanto custa o ingresso mais caro e o mais barato?

– Quanto a mais os cambistas cobram pelo ingresso à venda?

– Há flanelinhas (guardadores de carro) agindo nas redondezas dos estádios? Quanto eles cobram?

– Há estacionamentos nas redondezas dos estádios? Quanto custa, em média?

– Há barracas de alimentação no entorno dos estádios? Que opções de comida são vendidas? Quanto custa, em média?

– Há lanchonetes no entorno do estádio? Quanto custa um refrigerante ou uma cerveja, em lata ou em garrafa?

– Há vendedores ambulantes, os camelôs, comercializando cerveja em lata? Quanto custa? Eles podem atuar livremente ou precisam ser discretos?

– Há policiamento? Os policiais tentam inibir a atuação de vendedores ambulantes, barracas de lanches, guardadores de carros ou cambistas?

Que tal dar espalhar para amigos e dar seu depoimento? Eu começo com o meu.

Meu nome é José Casadei, 36 anos, frequento o estádio do Morumbi, sou torcedor do São Paulo. O estádio passa periodicamente por pequenas reformas. Os banheiros são bons e limpos, congestionados e precários apenas em dias de grande público. A entrada mais barata custa R$ 20, para assistir na arquibancada, descoberta, atrás dos gols. Nas partidas da Libertadores 2010, chegou a custar R$ 60 – R$ 70. Para assistir com visão para o centro do gramado, custa por volta de R$ 40. Chegou a custar, na Libertadores, R$ 140. Em outros setores, cobertos, com visão melhor e com alguns serviços, custaram entre R$ 300 e R$ 400. Há possibilidade de comprar ingressos pela internet.

Cambistas atuavam livremente. Agora, com mais discrição, para ver se a nova lei que criminaliza essa atividade “vai pegar ou não”. A prática mais comum é vender ingresso de meia-entrada pelo preço cheio, sem o desconto de 50% característico deste tipo de entrada. Barracas de lanches (pernil, lingüiça e cachorro-quente) atuam livremente ao término das partidas, mas são reprimidas antes dos jogos, principalmente com maior público. Custam, na média, R$ 7. A lata de cerveja no vendedor ambulante custa entre R$ 2 e R$ 3. Há poucas lanchonetes, somente no raio de 1,5 km de distância do estádio, que está situado em um bairro residencial, sem comércio no entorno.

A polícia está sempre presente, com bastante oficiais. Não há repressão contra cambistas, guardadores de carro ou outras atividades ilegais. Um “flanelinha” cobra entre R$ 15 e R$ 10 em jogos de pouca atratividade. Nos jogos da Libertadores 2010, pediram algo como R$ 40. Os riscos de encontrar avarias nos carros é pequeno, mas não raro. Estacionamentos cobram R$ 30 em média – a até R$ 100 nas partidas da Libertadores.

Anúncios

3 Respostas para “Quer participar de um projeto de jornalismo colaborativo sobre estádio de futebol?

  1. – Qual estádio foi frequentado, em qual jogo, em qual data?
    Couto Pereira, Paranaense 2010

    – Você se importa de deixar o seu nome e a sua idade?
    Luiz Carlos Betenheuser Jr., 41

    – Há quanto tempo você frequenta estádios de futebol?
    Há 39 anos.

    – Há estação de trem urbano ou metrô por perto, para facilitar o acesso dos torcedores?
    Não.

    – Os cambistas atuam livremente ou disfarçadamente?
    Nos grandes jogos sim. Agem livremente.

    – Quanto custou o ingresso que você comprou? Em qual setor do campo?
    Sou sócio propritetário, com duas filhas dependentes, ambas menores. Setor cadeiras inferiores. Custo mensal de 196 reais.

    – Você sabe quanto custa o ingresso mais caro e o mais barato?
    R$ 50 arquibancada, R$ 120 cadeira coberta.

    – Quanto a mais os cambistas cobram pelo ingresso à venda?
    Não sei, nunca comprei de cambistas.

    – Há flanelinhas (guardadores de carro) agindo nas redondezas dos estádios? Quanto eles cobram?
    Sim. Dois reais.

    – Há estacionamentos nas redondezas dos estádios? Quanto custa, em média?
    Sim. Dez reais.

    – Há barracas de alimentação no entorno dos estádios? Que opções de comida são vendidas? Quanto custa, em média?
    Poucas. Não sei, não consumo produtos fora do estádio.

    – Há lanchonetes no entorno do estádio? Quanto custa um refrigerante ou uma cerveja, em lata ou em garrafa?
    Poucas. Não sei, não consumo produtos fora do estádio.

    – Há vendedores ambulantes, os camelôs, comercializando cerveja em lata? Quanto custa? Eles podem atuar livremente ou precisam ser discretos?
    Vários. Não sei, não consumo produtos fora do estádio.

    – Há policiamento? Os policiais tentam inibir a atuação de vendedores ambulantes, barracas de lanches, guardadores de carros ou cambistas?
    Sim, há policiais, mas não há inibição das ações. Se há, eu nunca percebi.

  2. – Qual estádio foi frequentado, em qual jogo, em qual data?
    Durival Britto e Silva (Vila Capanema), Série B 2010.

    – Você se importa de deixar o seu nome e a sua idade?
    Rodrigo Wieler, 28 anos.

    – Há quanto tempo você frequenta estádios de futebol?
    Há pelo menos 24 anos.

    – Há estação de trem urbano ou metrô por perto, para facilitar o acesso dos torcedores?
    Não. As linhas mais próximas param a pelo menos duas quadras de distância do estádio.

    – Os cambistas atuam livremente ou disfarçadamente?
    Nos grandes jogos a ação é percebida facilmente.

    – Quanto custou o ingresso que você comprou? Em qual setor do campo?
    Sou sócio-torcedor, com valor mensal de R$53. Mas o ingresso no local em que eu frequento custa R$50 a inteira e R$25 a meia (para estudantes, mulheres, menores de 12 anos e sócios-olímpicos do clube).

    – Você sabe quanto custa o ingresso mais caro e o mais barato?
    O mais barato, na Curva Norte, custa R$30 a inteira e R$15 a meia.
    O mais caro, nas cadeiras cobertas, custa R$60 a inteira e R$30 a meia.

    – Quanto a mais os cambistas cobram pelo ingresso à venda?
    Não sei, pois nunca comprei de cambistas.

    – Há flanelinhas (guardadores de carro) agindo nas redondezas dos estádios? Quanto eles cobram?
    Sim. Em média, R$5.

    – Há estacionamentos nas redondezas dos estádios? Quanto custa, em média?
    Existe o estacionamento próprio do estádio, que custa R$10. Nas redondezas, algumas casas abrem os seus portões e permitem que os carros parem no terreno pelo valor de R$5.

    – Há barracas de alimentação no entorno dos estádios? Que opções de comida são vendidas? Quanto custa, em média?
    Sim. Temos cachorro-quente (em média R$2), pastel (em média R$2), pão com bife (em média R$3), X-Salada (em média R$3) e outras opções de sanduíche que variam, em média, de R$3 a R$5.

    – Há lanchonetes no entorno do estádio? Quanto custa um refrigerante ou uma cerveja, em lata ou em garrafa?
    Sim. Refrigenrante, em média R$2,50 a lata. Cerveja, em média R$3,50 a garrafa de 600ml.

    – Há vendedores ambulantes, os camelôs, comercializando cerveja em lata? Quanto custa? Eles podem atuar livremente ou precisam ser discretos?
    Atuam livremente. A lata costuma custar de R$2 a R$3.

    – Há policiamento? Os policiais tentam inibir a atuação de vendedores ambulantes, barracas de lanches, guardadores de carros ou cambistas?
    Há policiamento. Mas a cerveja e os lanches são vendidos livremente, muitas vezes, ao lado de viaturas estacionadas.

  3. Pingback: A jornalismo das multidões é modismo ou realidade? | Café Expresso

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s