Arquivo do mês: junho 2010

E o Calvin conhece o significado da frase “perdeu, playboy!”

Calvin 03jun

Anúncios

O desafio de produzir reportagens quando faltam números

Uma bela reportagem do jornal Folha de S.Paulo trouxe à tona informações que nem sempre as administrações públicas querem mostrar: os gastos com comunicação e propaganda dos governos estaduais. Esses dados permitem ao cidadão, contribuinte ou eleitor pensar e opinar sobre a condução dos recursos orçamentários.

Com certeza, não há justificativa para esse comportamento, já que o Estado funciona graças ao dinheiro arrecadado dos contribuintes, a informação é pública, foi produzida com recursos públicos e deve ser divulgada para o público.

Como já disse Tim Berners-Lee, responsável pelo programa inglês que visa abrir dados do governo para que a sociedade, via programadores, possa fazer uso privado ou comercial deles após a criação de aplicativos online, “dados governamentais são algo que nós já gastamos dinheiro … quando eles (dados) estão guardados no disco de computador no escritório de alguém, eles estão sendo jogados no lixo.”

24mai FSP propaganda Para produzir a reportagem, o jornalista vasculhou fontes diversas, como os tribunais de contas, os próprios governos estaduais e assembléias legislativas, entre outros. A apuração precisa ser eficaz e precisa, pois há sempre o risco de confusões. Os valores envolvem publicidade e comunicação – ou somente uma ou outra rubrica (considerando que é difícil estabelecer fronteiras entre as duas áreas)? A fonte é a mais confiável? Houve contingenciamento ou ampliação das verbas previstas na lei que determina a composição do orçamento anual do governo?

O trato com as informações precisa ser despolitizado – e a reportagem acerta no tom. É sempre perigoso fazer constatações a partir de rankings, pois informações bastante distintas podem ser extraídas a partir da escolha de analisar números absolutos (150, 464 ou 8.909, por exemplo) e números proporcionais (%, per capita etc).

O Estado de São Paulo é o campeão em destinar uma quantidade maior de recursos para propaganda e publicidade: R$ 311 milhões. mas é somente o décimo quando apura-se o gasto por habitante. A quantidade de pessoas que compõe o público que receberá a informação é um dos componentes essenciais para estipular o gasto de uma ação de comunicação, publicidade ou propaganda.

O mérito da reportagem é exatamente a coragem de conduzir da pauta. Os dados não estão organizados em alguma entidade ou instituição. Os donos das informações não estão dispostos a divulgá-las facilmente, com receio de abrir estratégias e intenções políticas. Há nuanças que podem comprometer a apuração e distorcer o conteúdo. Sem dúvida, uma daquelas matérias que podem ser consideradas como a melhor da semana.