Uma favela foi reurbanizada. Nenhuma imagem, nenhuma reportagem. Por quê?


A prefeitura paulistana inaugurou, este mês, um conjunto habitacional numa das regiões mais carentes de equipamentos sociais: Capão Redondo, na Zona Sul da cidade de São Paulo. Foram 160 unidades habitacionais, cerca de 300 pessoas beneficiadas. Diante do tamanho do problema existente na cidade – milhares de favelas para serem reurbanizadas, milhões de residências em situação precária para serem substituídas por conjuntos habitacionais mais dignos -, a intervenção foi pequena. Mas, mesmo assim, mereceria uma cobertura mais eficiente da impresa.

Cortesia Sehab As fotos que ilustram este comentário foram copiadas do portal da Prefeitura na internet. Não encontrei imagens que mostrem como o local estava antes, mas é perceptível que ficou bonito. Os prédios ocupam o lugar no qual estavam construídos barracos e casas precárias. As ruas, calçadas e garagens, com área verde, mostra um espaço urbano mais condizente com as necessidades mínimas dos cidadãos. A pergunta que fica é: porque um fato como este passa despercebido ou é conscientemente ignorado pela imprensa?

Algumas respostas logo vêm à mente. A obra é de pequeno porte e o impacto social é pequeno e extremamente localizado. Há sempre muita desconfiança quando uma fonte governamental divulga um fato positivo. O que foi feito é apenas uma pequena fração do que precisa ser feito. Sempre há muitas justificativas.

jd irene 1 A imprensa está errada em adotar esta postura. Primeiro, porque notícia boa tem de ser divulgada seguindo os mesmos princípios que são adotados quando são divulgadas as notícias ruins. Segundo, porque um fato cujo impacto social é pequeno e circunscrito pode ser facilmente abordado de um ponto de vista mais amplo, com maior impacto social. Terceiro porque os gestores públicos acertam, erram e se omitem: e todos esses atos ou comportamentos são dignos de cobertura da imprensa.

Um outro argumento importante, que está por trás da censura prévia que a imprensa faz sempre que há inauguração ou divulgação de notícia boa, é o juizo de valor que os meios de comunicação de massa sérios têm em relação às autporidades. A desconfiança acaba descamba para o preconteito e a sociedade fica sem saber dos acontecimentos.

Engana-se quem acreditar que a inauguração de somente 166 apartamentos no conjunto habitacional Jardim Irene II, no Capão Redondo, Zona Sul da capaital paulista, interessa somente ao público local. Ao contrário, interessa a todos. O eleitor, quando vota em um candidato, quer que ele resolva os problemas de habitação, transporte público e saneamento, entre outros. Ignorar e censurar um fato positivo do administrador público, por menor que ele seja, é deixar a população de toda a cidade com a sensação de que nada está sendo feito.

As equipes de reportagem estão corretas em ter uma postura cética e desconfiada com relação às divulgações das autoridades públicas, mas precisam ponderar melhor sobre os riscos de uma censura prévia automática sempre que há pequenas inaugurações e obras ou quaisquer fatos positivos do pdoer público. A população tem direito de ler, ver e ouvir sobre todas as notícias para que ela mesma possa avaliar e julgar, segundo princípios, valores e conceitos próprios, e não dos jornalistas, se os fatos são positivos ou negativos.

Para os jornalistas, que receberam o comunicado da Prefeitura da capital paulista, o fato deve ter sido considerado irrelevante ou com pouco impacto social. Será que a população da Zona Sul de São Paulo, que soma cerca de 2,1 milhões de pessoas, pensa o mesmo? Será que essas pessoas não têm o direito de saber que as favelas no entorno do bairro delas está sendo reurbanizadas?

Ficam algumas dicas, tanto para os comunicadores da gestão municipal quanto para os jornalistas.

Aos comunicadores da Prefeitura:

1) Seria melhor inserir fotos no portal, para que jornalistas possam passear por elas e verificar o impacto da obra. Imagem, neste caso, diz mais que o texto distribuído.

2) O portal da Secretaria Municipal de Habitação da prefeitura paulistana já tem a ferramenta para dar visibilidade às fotografias. Poderia reunir fotos mostrando como estava antes e depois da intervenção urbana.

3) Além disso, tentei procurar o Google Earth o Jardim Irene II para perceber espacialmente a transformação. Não consegui. No comunicado da Prefeitura, não há o endereço do conjunto habitacional. E se a imprensa se interessasse e quisesse vistoriar o local?

Às redações de rádio, TV, impressos e internet, cabe um esforço de pauta, mais intenso e criativo:

1) Para solucionar o impacto localizado da obra, é possível ampliar a cobertura e verificar a situação de todas as intervenções em reurbanização de favelas que estão sendo feitas na Zona Sul de São Paulo – onde moram mais de 2 milhões de pessoas. Se o impacto das obras ainda for considerado insatisfatório, a cidade inteira pode se tornar universo da reportagem.

2) Por que não fazer uma ou duas páginas inteiras de fotografias e legendas, narrando, por imagens, as transformações e intervenções urbanas que estão em andamento?

3) Se a reportagem não quiser se ater somente aos fatos positivos, como no Jardim Irene II, pode mostrar também aspectos que evidenciem omissão ou descaso do poder público.

4) Por fim, vale lembrar que as pessoas gostam de ver as coisas dando certo. Isso não significa que a imprensa deve omitir notícias de corrupção, politicagens ou quaisquer absurdos praticados por quem quer que seja. Basta mirar a pauta também para os fatos positivos, para os exemplos de bons gestores públicos, para aqueles que fazem as coisa acontecerem, estejam eles nas ONGs, nas empresas ou nas administrações públicas. Dizer que nada funciona é, no mínimo, uma visão simplista e destrutiva.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s