O criador da Internet começa a dar novos usos à própria criação


Tim Berners-Lee é considerado o criador da internet – a world wide web. Em junho do ano passado, foi contrato pelo primeiro-ministro britânico Gordon Brown para conduzir o Reino Unido por um caminho que alguns países já tinham começado a trilhar poucos anos antes – abrir os dados dos governos para a sociedade fazer uso privado ou comercial deles. Tim foi contratado por Brown por ser um crítico do costume dos governantes de trancarem informações públicas nos armários. Como ele mesmo explicou, bem-humorado, as desculpas de presidentes, secretários, governadores e prefeitos para não entregar informações são surpreendentes e incríveis.

Hoje, na Inglaterra, Tim Berners-Lee lançou o data.gov.uk, cujo objetivo é oferecer acesso a bancos de dados com informações públicas que possam ser transformadas em serviços por desenvolvedores da área de tecnologia da informação. Começa com 2.500 conjuntos de dados. Não interessa se as informações serão usadas de forma privada ou comercial – o princípio é que a sociedade (pessoas, famílias e empresas) já pagou por elas e tem direito a elas.Sir Tim Berners-Lee idea

No lançamento, o data.gov.uk terá bancos de dados com informações sobre visitas a museus, preços de habitação, pontualidade de ônibus e qualidade do ar em todo o país.

Veja a frase de Tim Berners-Lee, numa tradução livre, dita para um repórter o portal da BBC, de Londres: “Dados governamentais são algo que nós já gastamos dinheiro … quando eles (dados) estão guardados no disco de computador no escritório de alguém, eles estão sendo jogados no lixo.” Incrível, certo? Imagine o prefeito de São Paulo, então, dizendo o mesmo a respeito de disponibilizar à sociedade e aos jornalistas o banco de dados com endereços de alagamentos dos últimos dez anos na capital paulistana. Imagine o presidente da República fazendo o mesmo com o banco de dados do PAC, o Programa de Aceleração do Crescimento, que o governo federal diz estar melhorando a infraestrutura do Brasil e que os partidos políticos de oposição dizem ser uma bela peça de propaganda.

O Reino Unido entrou de cabeça em um movimento que cresce no mundo inteiro: o Open Data Moviment, que significa algo como dar ao público as informações públicas. Entre os ingleses, há campanhas que datam de anos atrás, como a Free Our Data, do jornal The Guardian, para que uma política governamental fosse implementada neste sentido, como já vinham fazendo outros países, como Estados Unidos, Austrália e Nova Zelândia. Ganharam.

As consequências positivas de uma política pública como essa são inimagináveis. Como explicou o coordenador do data.gov.uk, ao abrir os bancos de dados governamentais, seja para uso particular ou comercial, os desenvolvedores podem enxergar utilidade em lugares e coisas que o governo não vê e tudo isso pode se transformar em novos negócios e mais produtividade, o que resultará em ganhos de arrecadação tributária para os governos. Simples assim. Imagine, agora, um governo qualquer no Brasil dizendo isso.

Para conhecer mais, leia:

The Guardian: UK’s free data website ‘is a world showcase’

DataBlog The Guardian: Official government data sites around the world

BBC: Tim Berners-Lee unveils government data project

Anúncios

Uma resposta para “O criador da Internet começa a dar novos usos à própria criação

  1. Pingback: O desafio de produzir reportagens quando faltam números « Café Expresso

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s