Sugestão de pauta: Quem já pediu impeachment de quem e por qual motivo?

Em meio ao debate político intenso que ocorre em 2015, ainda rescaldo das eleições realizadas em 2014, há muitas críticas e respectivas réplicas a respeito da correção em exigir ou não impeachment da presidente da República neste início de segundo mandato. É golpe? É um instrumento constitucional?

info_vc_231114O debate ganhou novo impulso com mais dois pedidos de impeachment protocolados nos últimos dias, de um legislador e uma instituição civil.

Para responder estas duas perguntas, basta um levantamento nos documentos oficiais – a fonte, no caso, é o Poder Legislativo, que protocola os pedidos de impeachment de presidente da República feitos por partidos políticos, pessoas comuns ou instituições civis.

Mais do que identificar a quantidade de pedidos já feitos contra o presidente da República, como já fizeram os jornais Gazeta do Povo em 2014 e O Estado de S. Paulo em março passado, vale identificar a motivação, como já sugeriu um internauta dias atrás.

O diário paranaense identificou a motivação de alguns dos pedidos na reportagem, mas o ideal seria uma equipe de reportagem listar a motivação de todos os pedidos já feitos até então.

Assim, será possível responder várias perguntas e terminar com o falso debate sobre pertinência ou não de protocolar pedidos de impeachment.

Analise o histórico de quaisquer estatísticas. Ele pode ajudar a contar outra história

Um curso recém finalizado pelo Knight Center sobre noções básicas de matemática e estatística para jornalistas pinçou uma regra básica na análise de dados: é fundamental olhar a evolução das informações em um prazo mais prolongado, quando tais informações estiverem disponíveis.

O instrutor, Greg Ferenstein, alertou que não é recomendável ignorar a História, sobretudo em mudanças de opinião pública, quando torna-se ainda mais importante consultar os dados do passado longínquo.

O exemplo utilizado para demonstrar o ensinamento foi a opinião pública da sociedade norte-americana sobre pena de morte. Enquanto a evolução das estatísticas no curto prazo mostra uma coisa (falta de apoio à pena de morte no nível mais baixo de todos os tempos), os dados completos indicam outra (apesar das oscilações ao longo das décadas, a sociedade norte-americana mantém a mesma opinião ao longo de quase um século).

Dead penalty 2

Dead penalty 1

Concluiu o instrutor, em tradução livre: “Você ainda pode afirmar que a pena de morte está em declínio em popularidade, mas você teria que levar a História em conta. Ela muda tudo.”

Dias atrás, o Pew Research Center, que investiga há muito tempo a opinião pública dos Estados Unidos e também de outros países com muita eficiência, publicou uma avaliação a respeito das taxas de pobreza entre crianças negras, brancas, asiáticas e hispânicas.

Child poverty rates

Vale a mesma lição e a mesma conclusão: com exceção das crianças asiáticas, as estatísticas mostram uma evolução, para mais ou para menos, interessante no prazo mais curto. Mas, no longo prazo, entre 1975 e 2015, o nível de pobreza entre crianças (menores de 18 anos para o instituto) permanece razoavelmente sem alterações significativas.

Empresário e engenheiro, o ex-deputado que inspirou Lei de Licitações deveria ser pauta obrigatória

A agência de notícias da Câmara dos Deputados informou que uma comissão especial, criada para analisar alterações nas legislações que regem as contratações do setor público, vai ouvir, no dia 8 de julho, Luís Roberto Ponte.

lei de licitaçõesO convidado, segundo informa a reportagem, é empresário, engenheiro e ex-deputado federal.

Além disso, é dele a autoria do projeto de lei que foi aprovado, em 1993, e culminou na Lei de Licitações (lei 8.666/93), que disciplina como a administração pública deve proceder para comprar quaisquer bens e serviços.

Passados mais de 20 anos desde a promulgação da lei, e com os diversos debates já realizados sobre os problemas ainda existentes para promover licitações sem demora excessiva e também garantir compras eficientes pelos gestores públicos, é essencial que os principais jornais do país, programas de televisão e de rádio, ouçam o convidado e peçam a ele uma análise da lei que ele inspirou.

Se o potencial entrevistado tiver tempo disponível, é obrigação que cada jornal de circulação nacional lhe conceda uma página, e que os programas de rádio e televisão reservem para ele espaço para debates de 30 minutos, no mínimo.

Algumas perguntas não podem faltar:

– As regras de licitação existente garantem uma compra eficiente por parte da administração pública em sua opinião?

– Como conciliar uma quantidade de regras suficientes para evitar fraudes com a necessidade de promover licitações sem burocracia e dificuldades excessivas?

Projetos para visualizar mais facilmente estatísticas de orçamento público se espalham pelo mundo

O pesquisador Jonathan Gray lançou um pedido para pesquisadores do mundo todo por mais exemplos de projetos de visualização de informações fiscais – arrecadação e gasto de dinheiro público.

Ele publicou uma lista prévia com inúmeros projetos já existentes ao redor do mundo. Até o momento, há quase 200 projetos digitais que tentam oferecer formas mais fáceis e inteligíveis para as pessoas navegarem pelas informações dos orçamentos públicos, principalmente os mais leigos e sem muito conhecimento sobre os trâmites e terminologias sobre arrecadação e gasto de recursos públicos.

Vale lembrar uma antiga demanda: projetos de visualização de dados apenas são possíveis de serem feitos quando os dados estão disponíveis para a sociedade, em formato amigável para os programadores de dados trabalharem. As informações públicas pertencem à sociedade. Escondidas nas gavetas, não valem nada.

Exemplo brasileiro – No Brasil, um projeto interessante que busca atender a essas expectativas é o Meu Município. Ele oferece algumas informações principais e permite comparação entre cidades. O leitor que tiver um algum conhecimento sobre as rubricas de orçamento e finanças públicas poderá interpretar mais facilmente a importância as estatísticas e explorar as inúmeras possibilidades que o portal oferece.

De positivo, além do mérito de oferecer informações interpretadas e organizadas, está a possibilidade de exportar as estatísticas e a possibilidade de comparar as diversas rubricas entre várias cidades. Apresenta ainda as fórmulas para o cálculo de cada estatística orçamentária, o que serve como aula para alguns perfis de internautas. Quem acessar

Meu Município

O projeto, com algum apoio financeiro e de recursos humanos, poderia ir além rapidamente, buscando oferecer visualizações diferentes. Um exemplo mais comum são os infográficos do tipo “treemap”, uma forma eficiente de organizar e mostrar informações quantitativas de forma hierárquica por meio de retângulos. Isso permite ao leitor conhecer as dimensões de cada tipo de gasto dentro do orçamento.

Exemplos de visualização – Um bom exemplo é o que faz o governo federal dos Estados Unidos, que publica na internet a perspectiva de gastos por área proposto no orçamento federal para o ano seguinte, no caso, 2016.

US federal budget 2016 treemap

Ou como faz um projeto independente para a cidade de Arlington, no estado norte-americano de Massachusetts, que mostra informações sobre arrecadação e gastos públicos em gráficos de área e no estilo “treemap”.

Arlington fiscal data

Para saber mais:

A Federação das Indústrias do Rio de Janeiro publicou a última versão do Índice Firjan de Gestão Fiscal, uma excelente ferramenta que analisa dados fiscais dos municípios brasileiros. Em 2013, entre todas as cidades brasileiras, 84,2% tinham gestão fiscal em situação difícil ou crítica, 15,4% tinham boa gestão e só 0,3% tinham gestão de excelência. Mais de 80% das cidades brasileiras não conseguiram gerar 20% das receitas necessárias para cumprir o orçamento municipal, dependendo de transferências dos governos federal e estaduais. Vale comparar o índice da Firjan e o portal Meu Município.

Ruy Castro: Lição importante de jornalismo

Não há nada a ser dito para complementer o tema do artigo de Ruy Castro, publicado no jornal Folha de S. Paulo. Trechos:

Ao assistir a filmes americanos envolvendo jornalistas, você notará a diferença. Quando surge na tela uma entrevista coletiva, cada repórter dispara uma única pergunta, curta e objetiva, que obriga o entrevistado a fazer “gulp” antes de responder. Agora compare isto com as coletivas dos nossos repórteres de TV.

Quase todos começam por uma pergunta tão longa quanto desnecessariamente explicativa. Não satisfeitos, engatam um “…e também”, e emendam uma segunda pergunta, tão longa e explicativa quanto. Ao fim desta, o telespectador já não se lembra do que ele perguntou primeiro. Mas o entrevistado se lembra muito bem —e só responde àquela que lhe for mais confortável ou conveniente. Vê-se isso ao fim de todos os jogos de futebol, nas coletivas dos treinadores. Tem-se visto isso nas coletivas dos ministros do governo, políticos e autoridades em geral.

Você dirá que, no cinema, a dinâmica do roteiro faz com que os jornalistas tenham de parecer objetivos —não há tempo nem espaço para conversa fiada em cena. E eu responderei que esta é uma cláusula pétrea entre os repórteres americanos. “Perguntas curtas, frases curtas, palavras curtas —e uma pergunta de cada vez”, aprendi em Nova York com Alain De Lyrot, antigo editor do “Herald Tribune”. “Se o entrevistado não responder a contento, você repica a pergunta.”

Nossos repórteres não se contentam com uma pergunta simples e direta. Sentem-se na obrigação de enriquecê-la, desdobrá-la e acrescentar elementos. Com isso, só a tornam confusa, e o entrevistado responde o que quiser.

O uso civil de drones se espalha e ganha relevância – no jornalismo e em outros setores econômicos

Uma ilustração simples que circulou pela internet mostra a disseminação do uso de drones civis – pequenas aeronaves não tripuladas. Um dos setores que estuda diversas maneiras de aplicar os drones é o jornalismo e diversas universidades, sobretudo nos Estados Unidos, faz pesquisas nessa área.

Mas outros setores econômicos prometem ganhos de eficiência e redução de custos relevantes com a aplicação de drones nas atividades comerciais rotineiras.

Em tese, qualquer atividade humana que possa ser substituída por pequenas máquinas voadoras facilmente manobráveis torna-se um mercado potencial para os drones civis.

Tanto quanto para deslocamentos aéreos, os drones oferecem potencial de eficiência para ações de reconhecimento, por portarem facilmente câmeras e outros dispositivos capazes de coletarem dados emcampo.

Drones uses - Cópia 

Saiba mais:

Os aviões não tripulados foram úteis para a mídia cobrir as recentes manifestações populares?

Explicação que não explica – e leitor não compreende o que só o especialista descobriu

Jargões 1

O Ministério do Trabalho e Emprego divulgou, como de costume, estatísticas referentes ao nível de emprego – desta vez, para o mês de janeiro. Na maioria das vezes, os jornalistas relatam os números e colhem a opinião de especialistas para interpretar as informações recém-divulgadas. É um exercício rotineiro, quase mecânico, mas não deveria.

Jargões 2O trecho em destaque exemplifica a importância desse exercício. Certamente, a explicação do especialista faz sentido para ele e para poucos leitores que conhecem os jargões e a dinâmica da economia.

Qual é o tipo de ajuste? Porque é necessário fazer este tipo de ajuste? O que significa uma queda forte na margem?

A análise do especialista deve estar correta e deve fazer sentido, mas o leitor comum, que compõe a maior parcela da audiência, fica sem compreender o que só o especialista enxergou.